16 de fev de 2015

Você é uma pessoa Rígida?

O excesso de rigidez é um mal que traz consequências terríveis. Esse texto pode ser útil a quem se coloca na condição de uma pessoa rígida e também a quem convive com alguém nesse padrão.

Você convive com uma pessoa assim? Se sua resposta for positiva, deve sentir o quanto esse relacionamento é desgastante, não é? São indivíduos dogmáticos, incapazes de aceitar e considerar um ponto de vista diferente do seu. Muitas vezes pessoas teimosas que vão ao excesso do desrespeito, por não darem o devido espaço para as diferenças pessoais que existem nos amigos e familiares.

Agora, se você está na posição dessa pessoa, deve saber que o excesso de rigidez e severidade faz com que se crie um padrão mental que influenciará os outros para os trate da mesma forma como você os trata. E isso pode se agravar ainda mais, no futuro, por provocar em você um sentimento de autopunição, pois estará usando para consigo o mesmo tratamento de austeridade e dureza que utiliza com o outro.

Para corrigir esse comportamento é importante compreender duas coisas primordiais:

1ª que existem limites que se expressam de maneira específica e ninguém pode exigir igualdade de pensamento e ação de outro ser humano.


2ª Respeitando nossa singularidade, aprenderemos a respeitar a singularidade dos outros e sempre cairemos no excesso, quando não aceitarmos nosso ritmo de crescimento, bem como o do próximo.

Precisamos entender também que todos trazemos tendências inconscientes consideradas por nós mesmos como reprováveis e que tentam vir à nossa consciência.

Diante disso correm os excessos de todo gênero, que funcionam, na maioria das vezes, como disfarce psicológico para compensar essas nossas "fraquezas".

Exageramos posturas e inclinações na tentativa de simular um caráter oposto.

Observe que pessoas exageradas estão ocultando suas dificuldades, como a seguir os exemplos: 

  • todo aquele que excede no pudor, certamente está compensando seus desejos sexuais normais reprimidos.
  • o que excede na afabilidade, compensa sua agressividade mal elaborada.
  • o excesso de alimentação, é reflexo de insegurança ou necessidade de proteção.
  • e excesso de dominação representa compensação de fragilidade e desamparo interior.
  • em todo excesso ou rigidez se encontra a não aceitação da naturalidade da vida, fora e dentro de nós mesmos.
Agora pare e pense em qual ou quais situações você pode estar!


Diante dessa explanação, deixo algumas questões para nossa reflexão:

1- Será que sabemos compreender a real necessidade do "erro" na vida do ser humano?

Parece muito difícil aceitarmos isso, não é mesmo? Entendermos que os erros são necessários para nosso crescimento. Que somente através deles conseguimos avançar.

2- Você já parou para perceber que agiu de formas diferentes em situações diversas, tempos depois?
Certamente que isso significa que seu entendimento mudou e o pensamento amadureceu?

3- Você já ouviu falar que Deus age por intermédio de Leis e uma delas é a Leia de Ação e Reação?
Portanto, Ele não condena ou castiga ninguém, mas com suas leis justas permite que aprendamos e cresçamos através dos erros e sofrimento.


Agora resta-nos uma outra pergunta:
porque então usar de tanta rigidez perante os acontecimentos da vida?

Para concluir, quero apenas dizer que as convicções podem ser racionais e úteis, porém, o exagero, a obstinação se tornam prejudiciais ao nosso crescimento.

Já parou para observar um indivíduo com essas características, o quanto está estagnado? Por outro lado, aquele que aprendeu a ter flexibilidade tem maior compreensão das coisas e pessoas?

Para isso é importante saber que ser flexível não quer dizer perda de personalidade, mas ter uma mente aberta, um melhor discernimento para perceber, escutar, aprender e seguir nossos caminhos.


Estudiosos atuais da alma humana afirmam que indivíduos duros e intransigentes não se adaptam à realidade das coisas, tendo uma maior predisposição para a psicose. 

Uma fuga para um universo irreal, como forma de adaptação, para que possam sobreviver no mundo social que eles relutam em aceitar.

A não-aceitação os colocam em condições psíquicas atrozes, que invalidam o bem viver, levando a depressão de difícil cura.


Portanto, se você leitor não se encontra nessas condições, porém, convive com uma pessoa que sofre esse mal, saiba que é imperioso aceitar o erro como necessidade que ela mesma enfrenta e ao invés de criticá-la, colocando-se na mesma vibração que ela, que tal mostrar com seu comportamento, o quanto ela está perdendo tempo, atrasando sua evolução? 

Lembrando que, para seu próprio crescimento, necessita usar sua flexibilidade também nessa relação, pois somente assim, poderá ter visões ampliadas e não permanecer também estacionado, como essa pessoa de seu convívio.

Entretanto, se você é essa pessoa Rígida, tanto com os outros, quanto consigo mesma, aproveite esse texto para refletir muito sobre sua vida nesse momento. Pare e pense com todo carinho em tudo o que leu aqui; observe o que é possível mudar a partir de agora. É claro que será uma mudança lenta, porém, gradual e necessária.

Para finalizar, quero ressaltar o exemplo daquele que consideramos nosso Mestre, Jesus teve atitudes inéditas em seu tempo, substituindo toda uma forma de pensar rígida, impetuosa e fanática dos homens de caráter austero e intolerante daquela época em que viveu.

Agora quero pedir sua opinião sobre o assunto; escreva no espaço abaixo se gostou de ler ou se tem algo a acrescentar. Ficarei feliz em conhecer seu pensamento!

Texto adaptado do livro "As Dores da Alma" de Francisco do Espírito Santo Neto


Transformando e Curando Nossas Vidas

Ieda Perez
Terapeuta  Holística Integrativa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...